domingo, 20 de maio de 2012

Saga of Gunnlaug Serpent-tongue



"Esta é a saga de Hrafn e Gunnlaug Língua de Serpente, como contada pelo padre Ari Thorgilsson, o Conhecedor, que tem o maior conhecimento em histórias sobre o assentamento e outras sabedorias antigas  de todos que viveram na Islândia." *


Segundo o  Wikipédia, "Saga é uma palavra de origem germânica, que se refere a um relato literário de caráter épico, associado aos povos do norte da Europa."

Como vocês sabem, comecei meus estudos sobre Escandinávia Medieval agora e, além dos livros que abordam o assunto, as sagas também fazem parte da carga de leitura básica desse estudo. A análise das sagas é importante porque, através dos relatos, dos contos, da mitologia narrada, é possível conhecer um pouco mais daquela(s) civilização(ões).
É claro que nem tudo o que está escrito pode ser levado ao pé da letra. Primeiro que as sagas podem ter sofrido influências drásticas do Cristianismo, e segundo, por que não se sabe até que ponto essas sagas são inspiradas pelo imaginário dos povos daquele período.

A primeira saga que li foi a Saga de Gunnlaug Serpent-tongue. É uma narrativa em prosa bem curtinha que conta a história de Thorstein e de Gunnlaug. Na saga, a partir da interpretação de um sonho de Thorstein por um estrangeiro, o caminho dos dois se encontram, por mais que o primeiro tente mudar seu destino e que o segundo se esforce para concretizar seus planos. Não vou ficar fazendo uma grande descrição aqui da história porque além dela ser curta - e eu não pretendo que esse post vire um spoiler - sei que não é todo mundo que tem disposição para ler grandes resenhas.

De qualquer forma, alguns aspectos são interessantes na mesma. Primeiro é a transição gradativa da religião pagã para o cristianismo.** Ao mesmo tempo que aparece referência ao dom de adivinhação e da interpretação dos sonhos, também é mencionado o Deus cristão. Também é interessante notar que o nome de um dos personagens principais, Thorstein, faz alusão ao deus nórdico THOR.**

Outra característica que achei intrigante foi a descrição de alguns aspectos culturais, como a hospitalidade, os valores tradicionais da família e, acredito eu, um possível hábito do jovem ir para a casa de outra pessoa, para que este o ensine algum atividade ou ofício. Não sei se isso é realmente uma prática, se aparece em outras sagas ou se foi só impressão minha. Mas sei que em outros lugares da Europa, como na França, era comum que um jovem fosse morar com outra família, e se tornasse aprendiz daquele mestre que, além de lhe oferecer comida e moradia durante alguns anos, também lhe ensinaria determinado ofício.


Infelizmente esse tipo de literatura não é fácil de encontrar aqui no Brasil (muito menos em português), já que esse tipo de estudo não é valorizado no país. Vamos combinar que no Brasil os únicos estudos valorizados são aqueles que proporcionam uma enorme quantia de dinheiro em um curto período de tempo - e de preferência que esgote os recursos naturais xP
Mas é possível comprar ebooks através da Amazon e também ler algumas sagas no seguinte site: http://sagadb.org/
Mas ouvi dizer que o inglês é complicado e que as traduções desse site possuem alguns erros. Então acho mais interessante comprar na Amazon mesmo.

Bem, por hoje é só pessoal!

Tchüss


* Ok, sei que a tradução não está das melhores =D
** É conhecido o fato de que, apesar da conversão forçosa ao Cristianismo, muitas crenças sobreviveram e se mantiveram durante um longo período de tempo em determinados locais da Europa. Isso porque não era possível fiscalizar todo o território dito cristão, muito menos manter igrejas em áreas mais isoladas.
*** Stein em alemão significa pedra [em norueguês também]. Considerando que tanto o alemão [e o norueguês] quanto o nórdico antigo são línguas germânicas, acredito que o significado do nome possa ser "Pedra de Thor". Mas isso é "achismo", e pode ser só coisa da minha mente.

Um comentário:

  1. Amei o post n.n muito bom depois que terminar o nome da rosa quero ler

    ResponderExcluir